quarta-feira, 1 de abril de 2015

"O Anjo do Senhor", Melville Davisson Post

Olá, pessoal!

Hoje apresento para vocês um grande personagem da literatura, "um daqueles homens austeros, profundamente religiosos, gerados pela Reforma. Sempre carregava uma Bíblia no bolso para ler quando lhe desse vontade. Uma vez, na taberna de Roy, a rapaziada tentou ridicularizá-lo quando ele se sentou para ler junto ao fogo, mas nunca tentaram fazer isso de novo".

E aí, conseguiram identificar? Trata-se de um dos detetives mais originais da literatura policial norte-americana, o solteirão, gordo e barbudo que resolve os mistérios das terras do estado da Virgínia, o Tio Abner!

Melville Davisson Post em 1919
O Tio Abner aparece nas histórias detetivescas mais conhecidas do escritor norte-americano Melville Davisson Post, foram 22 ao total. Post nasceu em 19 de abril de 1869 e morreu em 23 de junho de 1930, aos 61 anos, depois de cair de seu cavalo.

Infelizmente, hoje em dia Post não é muito conhecido, a não ser por entusiastas da área de literatura policial, porém seu trabalho é de extrema qualidade. Ellery Queene, o pseudônimo coletivo dos primos escritores Frederic Dannay e Manfred B. Lee, chamou suas histórias de "fora desse mundo" e modelo para futuros escritores de contos de detetives.

Eu não conhecia o autor até então, mas li um de seus contos, sobre o qual escreverei aqui hoje, na antologia Detetives do Sobrenatural: contos fantásticos de mistério, organizada por Braulio Tavares e publicada pela Editora Casa da Palavra em 2014. Esta antologia é simplesmente demais, um conto melhor do que o outro! É um prato cheio para quem gosta de narrativas de mistério e para quem quer conhecer grandes nomes deste gênero literário, que, nesta coleção, vão desde o final do século XVIII até 2013, com um conto de Neil Gaiman.

Antologia publicada pela Casa da Palavra
O conto de Post que li, O Anjo do Senhor, publicado pela primeira vez em 1911, é considerado por muitos o primeiro texto do gênero de mistério histórico. Neste conto, e nas outras histórias com o Tio Abner, somos levadas à área rural do estado da Virgínia, povoada por trabalhadores durões, vaqueiros e grandes proprietários de terra. Naquela época não havia bancos ali, então o dinheiro tinha que ser transportado pessoalmente, o que era uma tarefa muito perigosa, pois havia sempre bandidos à espreita.

Para evitar um roubo, o irmão do Tio Abner sugere que o seu filho Martin, de 9 anos, vá em seu lugar. Abner fica receoso, mas acaba por aceitar. O menino, que, por sinal, é o narrador da história, segue a longa viagem com os alforjes pesados de dinheiro.

No meio do caminho, Martin encontra Dix, um vaqueiro conhecido da região, que fica surpreso em vê-lo por ali, ainda mais levando tamanha bagagem. Os dois seguem juntos até a taverna de Roy, onde o garoto iria passar a noite. O vaqueiro seguiu o menino e não tirou os olhos de seu fardo.

Quando todos já estavam dormindo, Martin percebeu uma luz por uma fresta do assoalho e notou que a lareira no salão havia ficado acesa. Preparando-se para descer e apagá-la, o que era a recomendação do dono do estabelecimento, o garoto percebeu que era Dix quem estava em frente ao fogo, com as mãos estendidas para alcançar o calor. No entanto, seu rosto parecia diferente, ele mostrava uma expressão diabólica.

Martin, então, percebeu a intenção de Dix e sentiu um pavor imenso ao ver que o vaqueiro subia as escadas determinado em direção aos dormitórios. Martin estava paralisado de terror, mas, felizmente, Tio Abner chegou a tempo, trazendo informações incríveis sobre o passado negro do vaqueiro.

Este conto é muito interessante porque mescla a literatura de faroeste com a literatura de mistério, e eu acho que essa combinação caiu muito bem. Normalmente, não pensamos em uma área rural como o ambiente para um crime digno de um conto à la Sherlock Holmes, porém Post o fez isso de maneira muito harmoniosa.

Esta é só uma das histórias em que Tio Abner exercita o seu raciocínio lógico. Há outras 21 que devem ser tão ou mais interessantes do que esta.

Boa quarta-feira e ótimas leituras!

Beijos,
Fernanda

8 comentários:

  1. Fernanda não conhecia esse autor e muito menos o conto, mas depois dessa apresentação fiquei com uma vontade louca de ler. Foi para "a lista".
    Abç,
    Boo Nina
    http://www.rascunhocomcafe.com/2015/04/infiel-como-sair-da-caverna.html

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia esse autor mas tô completamente intrigada pelo conto =O Necessito!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir
  3. Caramba, não conhecia... Quero saber mais!!! Vou googlear por ai!

    www.sonhosemtinta.com.br

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu realmente não conhecia o autor, menos ainda o conto.
    Não sou fã de ler contos, é muito difícil eu ler um.

    Beijinhos
    Jaque - Meus Livros, Meu Mundo.

    ResponderExcluir
  5. Olá :)
    O gênero não faz muito o meu tipo, mas você me deixou intrigada sobre o conto. Só o nome já chama a atenção, a trama parece bem legal.
    O máximo de policial que eu conheço é a Agatha, mas você me deixou com aquela pontinha de curiosidade.

    Beijocas,
    http://www.segredosentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem/
    Não conhecia o conto, nem o autor, mas fiquei morrendo de curiosidade pra ler, até porque amo histórias assim, e policiais são um dos meus gêneros favoritos.
    Adorei o post!
    Beijos
    www.romanceseleituras.com

    ResponderExcluir
  7. Oi oi!
    Ainda não conhecia o autor e logicamente nem o conto, mas adorei esse post e fiquei mega curiosa, já que adoro contos/livros policiais!
    Beijosss.

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu não conhecia o autor, mas gostei bastante do conto e do post. Vou procurar mais sobre o autor.

    Bjs, Glaucia.
    www.maisquelivros.com

    ResponderExcluir