sábado, 13 de outubro de 2018

"A Carne", Júlio Ribeiro

Bom dia, queridos leitores!

Júlio Ribeiro

Hoje venho compartilhar com vocês as minhas impressões sobre uma das minhas leituras mais recentes. Trata-se de um livro de um escritor brasileiro publicado no final do século XIX, mas que foi negligenciado por muito tempo. A obra também causou grande polêmica quando da sua publicação por tratar de temas tabus na época, como o divórcio, adultério e sexualidade. O livro chegou a ser condenado e muitos jovens foram proibidos de lê-lo na época. Foi com Manuel Bandeira (1886-1968), poeta, crítico literário, professor e tradutor, conhecido pelo seu trabalho durante a Semana de Arte Moderna, que a produção de Júlio Ribeiro foi resgatada. Estou me referindo a A Carne, livro de Júlio Ribeiro publicado em 1888.


Eu conheci esse livro através de uma disciplina que estou fazendo no doutorado sobre literaturas do século XIX. Esse século me encanta e gosto muito de investigar como a literatura se desenvolveu durante esse período em diversos locais. Júlio Ribeiro nasceu em Sabará, MG, em 1845 e faleceu em Santos, SP, em 1890. Integrou a Academia Brasileira de Letras na cadeira n. 24. Seu romance A Carne é a sua obra mais conhecida. Foi publicado em 1888, um ano muito importante na história do Brasil - o ano da abolição da escravatura. Ribeiro era anti-escravagista e sua oposição à escravidão pode ser verificada na análise do seu romance, que retrata a difícil situação de escravos negros no interior de São Paulo em meados do século XIX.

Na literatura, Júlio Ribeiro se posicionava como participante do movimento naturalista, cujo percursos foi o francês Émile Zola (1840-1902). Aliás, Júlio Ribeiro dedica o seu livro A Carne a Zola em um prefácio escrito por Ribeiro em francês. O naturalismo tinha como enfoque analisar o comportamento humano e social, principalmente o lado mais obscuro e primitivo do ser humano. O homem era visto como ser biológico e dotado de instintos primitivos, como os animais. A literatura teve influência do cientificismo da época, como, por exemplo, as teorias de Charles Darwin - daí a quantidade de termos científicos nos textos literários.

A Carne traz como protagonista Helena, a Lenita. Sua mãe morreu no seu nascimento e, portanto, Lenita passara a maior parte de sua vida com seu pai, que lhe proporcionara uma educação acima do normal para uma moça na época. Quando ainda jovem, seu pai morre, e Lenita decide deixar a cidade e passar um tempo na fazenda do Coronel Barbosa, amigo do seu pai. A fazenda era localizada no interior de São Paulo e devia sua produção ao trabalho escravo.



Aos poucos, Lenita se afasta dos estudos e das características da vi
da urbana, e vai se acostumando ao local rural e se conectando com o primitivismo da natureza. Ela caça animais e observa os negros, que têm uma liberdade sexual maior - diferentemente das restrições da sociedade urbana. Ela, aos poucos, se sente isolada nesta fazenda. Quando o Coronel Barbosa avisa que seu filho, Manuel, está voltando da Europa, Lenita idealiza a figura desse homem. Ele morara dez anos na Europa, onde estudara, viajara e se casara com um europeia. De volta ao Brasil, Lenita deposita os seus sonhos e desejos nesse homem. Quando ele finalmente chega à fazenda, Lenita se desaponta - vê apenas um homem velho, barrigudo e cheirando à cachaça.

Conforme o tempo passa, Lenita encontra em Manuel um companheiro de estudos a sua altura. Juntos, eles lêem livros, discutem teorias, andam pelas matas, e acabam se apaixonando. Porém, o relacionamento entre dois não seria fácil nem aceito, pois Manuel já era casado na Europa, mesmo que tivesse abandonado a sua esposa. A trama também é uma crítica à estrutura da sociedade, que não permitia o divórcio e, portanto, impedia que duas pessoas que se amassem ficassem juntas após uma delas ter se casado anteriormente. Então, Lenita e Manuel têm que escolher entre atender os desejos da carne ou aceitar as restrições que a sociedade impunha.

Não posso dizer como a trama termina a não ser que de maneira trágica e inesperada. É um romance certamente escandaloso, principalmente se lembrarmos que ele foi escrito em 1888, mais de cento e vinte anos atrás. Imagino como as pessoas da época teriam regido individualmente à leitura.

Depois que o moralismo do século XIX arrefeceu e Manuel Bandeira resgatou os escritos de Júlio Ribeiro, podemos agora voltar para esse texto com os olhos de nossa própria época, o século XXI, e perceber ali um grande romance, que discute o papel da mulher na sociedade do século XIX, a convenção do casamento e critica o trabalho escravo de maneira nua e crua. Certamente, vale a pena a leitura.

Espero que tenham gostado dessa dica de leitura. Uma ótima semana a todos e, é claro, ótimas leituras!

Fernanda

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

"O Que Fazem Mulheres", Camilo Castelo Branco

Olá, queridos leitores!

Hoje escrevo para vocês sobre a minha leitura do clássico da literatura portuguesa O Que Fazem Mulheres (1858) do Camilo Castelo Branco (1825-1890).

Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo Branco foi um dos grandes nomes da literatura portuguesa do século XIX. Ele escreveu muito durante a sua carreira literária, mais de cem obras, incluindo romances folhetinescos, novelas, histórias de mistério e crônicas para jornais, e foi um dos primeiros escritores portugueses a viver de literatura.

Camilo tinha uma vida boêmia, ficou órfão muito cedo e casou-se aos 16 anos com uma jovem de 15, mas a união não deu certo. Eles tiveram um filha, mas morreu muito cedo. Cinco anos depois, o escritor fugiu com Patrícia Emília, outra jovem, mas a união tampouco deu certo. Também tiveram uma filha, Bernardina, que viveu até a idade adulta. Somente em 1850 Camilo conheceu o amor de verdade, mas esse amor resultou em uma relação muito conturbada. Ele se apaixonou por Ana Plácido, uma mulher casada. Ela havia sido forçada a se casar com um comerciante brasileiro muito mais velho e vivia infeliz. Ana decidiu abandonar o marido e foi morar com Camilo em 1859. Os dois foram acusados de adultério e presos. Em 16 de outubro de 1861, o casal foi julgado e absolvido. Depois desse incidente, Camilo e Ana continuaram a viver juntos e tiveram dois filhos (além do primeiro filho de Ana, Manuel Plácido, reconhecido pelo seu primeiro marido, mas que muitos afirmavam ser filho de Camilo). Manuel, o primeiro marido de Ana, morreu em 1863, e em 1888 Camilo e Ana finalmente se casaram.

Ana Plácido
Ao final de sua vida, Camilo foi perdendo a visão, consequência da sífilis que havia adquirido, e desenvolvendo uma aguda depressão. Ao descobrir que ficaria cego por completo, se suicidou no dia 1 de junho de 1890. Ana Plácido morreu cinco anos mais tarde, e todos os seus três filhos, aliás problemáticos, morreram antes de 1900: Manuel morreu de febre aos 19 anos em 1877, Jorge foi declarado louco e hospitalizado, morreu em 1900, e Nuno, alcoólico e viciado em jogo, morreu em 1896.

A vida conturbada de Camilo é refletida em sua obra, que é caracterizada por tratar de temas como a orfandade e filhos ilegítimos, os direitos do coração contra as convenções da sociedade e um retrato dos costumes da sociedade portuguesa do século XIX.


O Que Fazem Mulheres, publicado em 1858, quando Camilo já se encontrava apaixonado por Ana Plácido e já se estabelecia como escritor, ainda que em sua fase inicial. A protagonista da trama é Ludovina, uma jovem de família simples. Sua mãe, Dona Angélica, havia sido forçada pelo pai a se casar com Melchior Pimenta, que tinha prospecção de herdar uma fortuna, que não aconteceu. Ludovina é apaixonada pelo charmoso Ricardo de Sá, jovem preguiçoso dado às letras e que cortejava diversas mulheres ao mesmo tempo apenas pelo prazer de seduzir. Como Ludovina era uma jovem bela mas humilde, Ricardo não pretendia se casar com ela. Quando a jovem soube disso através de uma artimanha de sua mãe, Ludovina decide se render aos planos de seu pai de casá-la com João José Dias, um homem mais velho que havia feito fortuna no Brasil. Grosseiro, gordo e disposto a zelar por sua honra a qualquer custo, João José Dias era o oposto da delicadeza de Ricardo de Sá. Porém, Ludovina aquiesce e se casa com a condição de que seus pais continuem morando com ela.


A história se desenrolar e um charuto, protagonista de um "capítulo avulso", levanta suspeitas de um adultério, tornando a vida de Ludovina um inferno. Não vou dizer de quem são as suspeitas, sobre quem elas recaem, nem se elas são verdadeiras ou não, é preciso que você leia O Que Fazem Mulheres e descubra por conta própria!

Alguma semelhança entre Ludovina e Ana Plácido? Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência?

A estrutura do romance de Camilo Castelo Branco é muito interessante e inovadora para a época. O narrador conversa diretamente com o leitor e apresenta um "capítulo avulso", que o leitor pode encaixar onde quiser, e um capítulo "que é melhor não ser lido", além de dois prólogos, um "a todos que lerem" e outro "a alguns dos que lerem". Aguçou a sua curiosidade? Imagine a curiosidade de um leitor do século XIX, que se deparava com algo assim, muito provavelmente, pela primeira vez!

Lisboa no século XIX

Já me estendi demais, mas apenas gostaria de reiterar a sugestão da leitura de O Que Fazem Mulheres, que trata de um tema convencional da literatura da época - o casamento forçado por conveniência - mas de uma maneira inovadora e divertida.

Espero que tenham gostado dessa dica literária. Uma ótima semana a todos e, é claro, ótimas leituras!

Fernanda

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

"A Mão e a Luva", Machado de Assis

Bom dia, queridos leitores!

Hoje eu trago para vocês as minhas impressões sobre o livro A Mão e a Luva, do maravilhoso Machado de Assis (1839-1908). Esse é o segundo livro publicado pelo autor carioca, que foi lançado primeiramente em formato seriado no jornal O Globo entre setembro e novembro de 1874, e no mesmo mês de novembro saiu em formato de livro.

Muitos críticos consideram essa obra de Machado como pertencente a sua primeira fase, a fase romântica, enquanto os seus livros mais "maduros" fariam parte da tradição realista. Contudo, não é tão simples assim (e nem vantajoso!) classificar a obra de Machado ou de qualquer outro autor. O que vemos em A Mão e a Luva é um narrador super irônico e não-convencional, que nos leva a conhecer a história de Guiomar, uma jovem moça de origens humildes, e seus três pretendentes: Estêvão, Luís Alves e Jorge.

O livro começa já durante uma conversa entre Estêvão e Luís Alves, dois jovens cariocas que estudam Direito em São Paulo. Estêvão, sonhador e ingênuo, conta a sua paixão avassaladora por Guiomar, que mal lhe retribui o afeto. É verdade que Estêvão conhece a moça muito pouco, mas já está disposto a morrer por um amor não correspondido. O exagero de sentimento de Estêvão e suas referências literárias (ele lê, por exemplo, Os Sofrimentos do Jovem Werther, do alemão Johan Wolfgang von Goethe [1749-1832], e escreve versos à la Lord Byron [1788-1824]) o caracterizam como uma própria caricatura do movimento literário Romantismo, já em decadência em meados do século XIX. 
Machado de Assis

Luís Alves, em oposição, é um rapaz ambicioso e racional. Logo, ele percebe em Guiomar a mesma ambição, o que o leva a cogitar a ideia de casar-se com ela também. Guiomar era uma moça muito humilde que ficou órfã muito cedo. Porém, ela teve a sorte de ter sido adotada por sua madrinha, uma baronesa, que perdeu sua filha, que tinha praticamente a mesma idade de Guiomar. Guiomar se torna, assim, uma nova filha para a rica baronesa. 


Os planos da baronesa e de sua governanta inglesa, Mrs. Oswald, são outros. As duas planejam casar Guiomar com o sobrinho da baronesa, o preguiçoso e sem-graça Jorge. Frente a esses três pretendentes, Guiomar deve escolher entre seguir o coração, uma ambição ou o desejo de sua benfeitora. Guiomar é uma protagonista feminina muito forte, tem caprichos e vontades, e estava muito a frente do seu tempo. Ela sabia como deveria se comportar para garantir um lugar de conforto e respeitável na sociedade. 



Guiomar e seus três pretendentes em uma adaptação do livro para HQ

O sagaz narrador da trama não é nada imparcial. Seus comentários irônicos e linguagem metafórica deixam a leitura mais prazerosa, dinâmica e divertida. Acima de tudo, ele defende Guiomar de toda e qualquer crítica. Guiomar pode não ser o exemplo de como uma mulher deveria se comportar, mas ela é a "nossa heroína", como o próprio narrador diz. E que heroína! Ame-a e ou odeie-a!



Rio de Janeiro no século XIX - cenário de A Mão e a Luva

Então é isso, pessoal! Espero que tenham gostado das minhas impressões sobre esse título não tão conhecido de um dos maiores escritores da nossa literatura brasileira.


Uma ótima semana a todos e, é claro, ótimas leituras!


Fernanda


quinta-feira, 16 de agosto de 2018

"Outlander - A Viajante do Tempo", Diana Gabaldon

Olá, pessoal!

Hoje venho escrever para vocês sobre uma das minhas leituras recentes, Outlander - A Viajante do Tempo, de Diana Gabaldon. Esse livro já estava na minha lista há muito tempo, principalmente depois da estreia da série baseada nos livros, que está disponível na Netflix. Eu sabia que a história envolvia viagens no tempo e a Escócia do século XVIII, por isso já me interessei. Acredito que tenha iniciado a leitura com expectativas muito altas.

A protagonista de Outlander, e quem nos conta a história em primeira pessoa, é Claire Randall, uma jovem casada com Frank Randall. O ano é 1945, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Claire trabalhara como enfermeira durante a guerra e visto muito sofrimento. Frank trabalhara em outro setor e, por isso, viveram separados por alguns anos. Reunidos em 1945, os dois tentam se reconectar, mas se sentem estranhos um na presença do outro. Para resgatar esse relacionamento, os dois decidem viajar juntos antes de Frank iniciar o trabalho como professor acadêmico na Universidade de Oxford. Simbolicamente, os dois vão para as Terras Altas na Escócia, pois, além de ter sido um lugar pouco destruído durante a guerra, foi o local onde os dois haviam passado a sua lua de mel depois do seu casamento. Frank, como professor de história, se encanta com o passado do lugar, principalmente com informações sobre Jonathan Randall, um dos seus antepassados.

Claire
Em um de seus passeios pela região enquanto Frank se dedica aos estudos e a sua pesquisa, Claire vai até a montanha de Craigh na Dun (que, aliás, é um lugar fictício criado pela autora), onde há um círculo de pedras, resquícios, provavelmente, de rituais antigos. Encantada pelas pedras, Claire toca uma dela e sente algo extraordinário, uma grande força que a puxa. Ao voltar à consciência, ela se vê no mesmo lugar, mas em outra época! Ela está no século XVIII! Ela é capturada por soldados ingleses e, mais tarde, sequestrada por membros do clã escocês Mackenzie e levada ao castelo de Colum Mackenzie. Eu sou simplesmente apaixonada por histórias de viagens no tempo, mas, nesse caso, eu achei que Claire aceitou muito facilmente o fato de ter voltado no tempo. Eu, com certeza, levaria muito mais tempo para aceitar a ideia! Algo muito divertido com relação à viagem no tempo é que Claire se veste e utiliza palavras que deixam os habitantes das Terras Altas daquela época pasmos. Por exemplo, eles acham que o vestido de Claire é uma camisola indecente e não entendem o significado da palavra "infecção". E Claire é muito irônica ao contar a história através de sua perspectiva, por isso a leitura torna-se bem divertida.


Durante o resto do livro, Claire precisa aprender a viver com os costumes e dificuldades do século XVIII, como a comida simples, os castelos sem aquecimento, longas viagens a cavalo, etc. Por coincidência (ou destino), Claire encontra Jonathan Randall, o ancestral de Frank, e descobre que seu verdadeiro caráter não tem nada a ver com as decorações com as quais ele foi representado nos registros históricos. Ela também conhece Jamie, um jovem e atraente escocês, que vai fazê-la duvidar sobre o que ela realmente quer: voltar para a sua época e seu marido Frank, ou ficar para sempre na Escócia do século XVIII.

Capitão Randall
O livro é bastante prazeroso de ler. São mais de 800 páginas e há diversas passagens que poderiam ser excluídas sem alterar o fluxo principal da narrativa. Por isso, eu digo que Outlander é mais focado nos personagens e seus sentimentos do que em ações necessárias para o desenvolvimento da trama. Você acompanha os personagens dia a dia e acaba se envolvendo com eles.
Jamie

Há também, claro, uma história de amor. Claire se apaixona por Jamie, o que a divide entre dois tempos e dois homens. Há muitas cenas de amor entre Claire e Jamie, e muitas explícitas demais, que, na minha opinião, são desnecessárias, principalmente em um livro de fantasia. Porém, há diversos leitores com diversas opiniões.


Não quero me alongar e contar mais sobre a trama para vocês. Deixo apenas a recomendação para que leiam Outlander e, também, assistam à série, que é de uma fotografia belíssima. Assisti apenas aos três primeiros episódios por enquanto, mas já estou amando! O elenco foi muito bem escolhido, as paisagens são magníficas, e algo que achei muito interessante que acontece na série mas não no livro (pelo menos não no primeiro volume) é a intersecção de cenas em 1743 e 1945. Assim, conhecemos melhor a vida de Claire antes de voltar ao passado e também sabemos mais sobre o que se passa com Frank depois do desaparecimento de Claire.


Estou muito curiosa para continuar assistindo à série e para ler os próximos volumes da saga. O segundo livro, A Libélula no Âmbar, já está sobre a minha escrivaninha, apenas esperando para ser lido!

Espero que tenham gostado dessa resenha. Se vocês já leram ou pretendem ler Outlander, deixe sua opinião nos comentários abaixo. Uma ótima semana e, é claro, ótimas leituras!

Fernanda

sábado, 2 de junho de 2018

"Jane Eyre", Charlotte Brontë

Olá, queridos leitores!

Hoje venho compartilhar com vocês a minha mais recente leitura. Trata-se de um livro que já está na minha lista há muitooo tempo: o clássico da literatura inglesa do século XIX, Jane Eyre.

O contexto de publicação do livro em si já é super interessante. Ele foi escrito por Charlotte Brontë, a mais velha das irmãs Brontë. As outras duas, Emily e Anne, também eram escritoras. Porém, no século XIX, ainda era muito difícil para uma mulher conseguir publicar seus trabalhos, ainda mais mulheres solteiras. Por isso, as meninas publicaram seus livros sob os pseudônimos Currer Bell (Charlotte), Ellis Bell (Emily) e Acton Bell (Anne). Quando as críticas de Jane Eyre saíram, a maioria imaginou que o autor da história era um homem, já que - de acordo com eles - uma mulher não seria capaz de escrever um romance tão complexo e com personagens tão desenvolvidos. Imagina a surpresa ao descobrirem mais tarde que se tratava de uma jovem mulher?

Charlotte Brontë
Jane Eyre foi publicado em três volumes em 1847. Mesmo depois de passada a primeira onda da literatura gótica (característica do final do século XVIII e ilustrada por trabalhos de escritores como Ann Radcliffe e Horace Walpole), o romance de Charlotte traz motivos góticos, como a mansão misteriosa, atmosfera de chuvas e neblina, um segredo do passado, sonhos e visões sobrenaturais, etc. Fica claro que Charlotte era uma leitora ávidas dos clássicos góticos do século anterior.

Ao longo do romance de quase 500 páginas, nós acompanhamos a protagonista Jane Eyre desde a sua infância, criada por uma tia depois da morte de ambos os pais. Sua tia, esposa do irmão da sua mãe, a considerava um empecilho e, por isso, a tratava mal. Quando Jane atingiu uma certa idade, foi mandada para a instituição para crianças órfãs Lowood, onde se tornou uma moça amarga e fechada, porém dedicada ao estudo e conhecimento. Após passar seis anos como estudante, trabalhou mais dois como professora na mesma instituição.

Jane Eyre na instituição Lowood. Cena do filme de 2011
Aos dezoito anos, Jane sonhava em deixar Lowood e conhecer mais do mundo. Por isso, começou a procurar emprego como governanta, até que foi chamada para trabalhar na mansão do Sr. Rochester, Thornfield Hall, como instrutora da pequena Adèle. As coisas parecem melhorar para Jane, até que ela começa a perceber barulhos e eventos curiosos - até mesmo perturbadores - na casa. Além disso, ela reluta em admitir que sente algo poderoso pelo seu patrão, que parece gostar dela também. Mas o passado desse homem é muito mais negro do que ela imagina.

E muitas outras coisas acontecem durante a história, mas não vou revelá-las aqui. Jane é uma personagem muito bem construída. A narrativa em primeira pessoa nos dá acesso aos seus pensamentos e sentimentos, sua força e desejo em ser uma mulher independente - o que ela consegue.

Não é à toa que Jane Eyre é um grande clássico da literatura e continua sendo lido nos dias de hoje, 170 anos depois da sua primeira publicação. Jane Eyre se tornou um dos meus livros preferidos e, tenho certeza, voltarei a lê-lo muitas vezes ainda no futuro.

Espero que tenham gostado dessa resenha. Uma ótima semana e ótimas leituras,

Fernanda


quinta-feira, 10 de maio de 2018

"Mistério em Chalk Hill", Susanne Goga

Olá, pessoal!

Hoje venho compartilhar com vocês uma leitura que acabo de terminar e que me deixou muito eufórica. Foi uma leitura extremamente envolvente e, por isso, vim direto aqui dividir minhas impressões com vocês. O livro ao qual me refiro é Mistério em Chalk Hill (2014), da escritora alemã Susanne Goga.

Eu cheguei até esse livro por pura casualidade. Como eu viajo muito de ônibus, eu comecei a escutar audiolivros durante o percurso para aproveitar esse momento de certa maneira, já que não consigo ler livros físicos em carros em movimento porque fico tonta! Tenho usado o aplicativo para smartphones uBook e tenho gostado bastante da experiência. Há diversos livros no catálogo e um deles é Mistério em Chalk Hill. A sinopse dizia que se tratava da história de uma jovem mulher alemã, Charlotte Pauly, que depois de se envolver em um escândalo na sociedade de Berlim decide se mudar para a Inglaterra em busca de emprego e uma nova vida. Detalhe: a história se passa em 1890. É claro que me interessei na hora! Adoro romances com governantas que se passam na Inglaterra vitoriana!




Comecei a escutar ao audiolivro sem grandes pretensões, já que sabia absolutamente nada sobre a autora alemã. E, capítulo por capítulo, a narração através da perspectiva de Fräulein Pauly - como é chamada na Inglaterra para enfatizar a sua origem estrangeira - me envolveu. Me identifiquei muito com a jovem alemã, que trabalha como professora, gosta de idiomas, adora ler - principalmente os contos de fadas dos irmãos Grimm e as peças de Shakespeare - gosta de tomar chá e ler em frente à lareira e, além de tudo, é uma mulher independente mas ao mesmo tempo muito sensível.


Charlotte é chamada para trabalhar em Chalk Hill como preceptora da pequena Emily, uma menina adorável de oito anos. Seu pai, Sir Andrew, contratou a jovem alemã para se encarregar da educação da filha depois da morte prematura da mãe, a Lady Ellen Clayworth. Ao iniciar seu trabalho na enorme mansão cercada por uma densa floresta em Chalk Hill, Charlotte percebe que há muitos mistérios envolvendo a morte da Lady Ellen. E para ajudar a jovem Emily, ela terá que desvendá-los.

A narrativa do ponto de vista da Fräulein Pauly é intercalada com trechos em que a perspectiva é de Tom Ashdown, um crítico de teatro londrino que perdeu a esposa recentemente. Ele escreve resenhas hilárias sobre as peças teatrais que assiste e frequenta bares e restaurantes em companhia de diversos intelectuais. Por ainda sofrer com a morte da esposa, ele acabou se envolvendo com a famosa Society for Psychical Research, uma sociedade baseada em Londres que analisa cientificamente eventos sobrenaturais e que existe até os dias de hoje.

E é através dessa sociedade que os destinos de Charlotte e Tom se cruzam e as histórias de Londres e Chalk Hill se entrelaçam. É um romance muito bem construído, que traz personagens reais como o Prof. Henry Sidgwick, professor da Universidade de Cambridge e um dos fundadores da Society for Psychical Research, e sua esposa, Eleanor Sidgwick, matemática e reitora do Newnham College em Cambridge.


Henry Sidgwick e Eleanor Sidgwick

É impossível ler a história de uma governanta que é chamada para trabalhar em uma enorme mansão cheia de mistérios na Inglaterra vitoriana e não relacioná-la com o clássico Jane Eyre (1847), de Charlotte Brontë. E, por coincidência, estou lendo Jane Eyre nesse momento. Portanto, a relação ficou ainda mais clara. Susanne escreve sobre a influência do romance de Charlotte Brontë na sua história no posfácio do livro. Além disso, há diversas alusões no livro de Susanne a outros clássicos da literatura, como o detetive Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle, o romance O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, e diversas menções às peças de Shakespeare. Essas intertextualidades deixaram Mistério em Chalk Hill ainda mais saboroso para ler ou ouvir.



Se você gosta de histórias de mistério com toques sobrenaturais, conversas à frente da lareira crepitante sobre literatura, contos de fadas e o encantamento da Inglaterra do final do século XIX, esse é o livro ideal para você!

Ao que tudo indica, esse é o único livro da autora traduzido para o português. Ela já escreveu mais de oito romances históricos, que estou louca para ler! Porém, todos escritos em alemão. Espero que mais dos seus livros sejam traduzidos para o inglês. Gostei muito do estilo dessa escritora, que tem tudo para desenvolver uma carreira brilhante pela frente.

Espero que tenham gostado dessa dica.

Ótimas leituras!

Fernanda

sábado, 31 de março de 2018

"O Vendedor de Histórias", Jostein Gaarder

Olá, pessoal!


Hoje venho compartilhar com vocês uma das minhas leituras mais recentes. É um livro que já estava na minha estante há muito tempo, e fico muito feliz de o ter resgatado da pilha de livros esquecidos. Trata-se de O Vendedor de Histórias, de Jostein Gaarder (1952-). Você já deve ter ouvido falar desse escritor norueguês, pois foi ele o autor do livro grande campeão de vendas dos anos 1990, O Mundo de Sofia (1991). Também tenho O Mundo de Sofia em minha coleção, mas ainda não fiz a leitura. Agora que conheci o trabalho de Gaarder, fiquei curiosa para ler mais trabalhos dele.

O Vendedor de Histórias foi publicado pela primeira vez em 2001, quando Gaarder já se havia consolidado como escritor de sucesso. Ele é narrado em primeira pessoa por Petter, um garoto norueguês nascido em Oslo, e nós o acompanhamos durante toda a sua vida. Desde criança, ele tinha uma imaginação muito fértil. Sua imaginação era maior do que ele podia lidar. Por isso, ele sentia necessidade de colocar sua imaginação para fora, transformando-a em histórias. Sua mãe ficava surpresa com a tamanha criatividade do menino, que inventava narrativas complexas com uma facilidade incrível.

Jostein Gaarder
O menino foi crescendo e, aos poucos, percebeu que esse seu talento poderia se tornar rentável. Apesar de preferir a solidão dos seus mundos imaginários, Petter tinha muitos colegas no universo editorial: os que sentiam vontade de escrever, mas ainda não haviam publicado um livro, os escritores frustrados que já haviam publicado mas não produziam nada há tempo, os que tinham potencial e paciência para escrever um calhamaço de mais de setecentas páginas, os imediatistas que queriam fama logo, os incorruptíveis, etc. O pessoal sabia do seu talento em contar histórias, e quando Petter começou a sugerir a venda de suas anotações e planos detalhados para romances, seu negócio decolou. É claro que cada um de seus clientes achava que ele era único e suas transações exclusivas.

O tempo se passou, as ideias de Petter se tornaram best-sellers e romances premiadas. Certamente, alguns de seus esboços não foram bem trabalhados depois de vendidos e acabaram não dando em nada. Petter se divertia em ver como suas histórias ganhavam asas próprias.

Capa da edição norueguesa
O que eu achei muito interessante nesse livro é que o narrador, Petter, escreve algumas de suas histórias ou anotações para histórias. Portanto, o leitor tem acesso a algumas dessas histórias dentro da história. Eu acho esse mecanismo metaficcional muito engenhoso e interessante! Eu, particularmente, adorei a história de Petter sobre o jogo de xadrez e sobre o triplo assassinato após a morte. O narrador também reflete sobre a situação do universo literário e do mercado editorial nos dias de hoje, como o fato de que muitas pessoas querem se tornar escritores apenas pela fama e pelo dinheiro. Ele escreve sobre como muita coisa, até demais, é produzida hoje em dia (muita coisa boa, mas também muita coisa ruim). "Há mais cultura do que podemos digerir", ele afirma.

Além disso, ele escreve sobre a profissão do escritor. Ele afirma que, primeiro, deve-se viver para depois escrever, e não o contrário, como muitas pessoas fazem hoje em dia. Ele escreve:

"É um equívoco pós-moderno achar que você pode escrever primeiro e viver depois. Mas muitos jovens querem se tornar escritores principalmente porque querem viver como escritores. Isso é pôr o carro na frente dos bois. É preciso viver primeiro, e depois decidir se tem algo a dizer. A vida é o fator determinante. Escrever é o fruto da vida. A vida não é o fruto de escrever" (página 121).


Não é interessante? E é a mais pura verdade! Ele também coloca que um grande escritor não precisa buscar o que escrever, ele escreve quando tem que escrever: "Um grande escritor não tenta encontrar alguma coisa sobre a qual escrever, ele simplesmente escreve quando tem de escrever" (página 122). Eu, como escritora, refleti muito sobre isso. Achei muito interessante. Não adianta buscar uma ideia a todo custo. Se for uma ideia boa, não se preocupe, ela virá até você!

Porém, conforme Petter vai ficando mais velho, sua teia de negócios e conexões (que expandiu até mesmo para outros países) vai ficando mais e mais fina, até arriscar quebrar! Em uma feira de livros em Bolonha ele se reencontra com o seu passado de uma maneira surpreendente e chocante. Não vou contar para vocês o que acontece, apenas digo que vale muito a pena a leitura!


Espero que tenham gostado dessa minha dica de leitura! É muito interessante ler autores fora do eixo dos países de língua inglesa. Se você se interessa por livros sobre livros, histórias dentro de histórias, mistérios e peças de quebra-cabeça que se encaixam perfeitamente no final, O Vendedor de Histórias é o livro para você!

Uma ótima semana a todos e, é claro, ótimas leituras!

Fernanda