sexta-feira, 1 de maio de 2015

"A garça-real", Sarah Orne Jewett

Bom dia, pessoal!

Em um feriado nublado e frio, nada melhor do que começar a manhã com uma boa leitura, não? E eu tenho uma ótima dica para vocês, trata-se do conto A Garça Real, da norte-americana Sarah Orne Jewett.
Esta história simplesmente me encantou, e tenho certeza de que ela irá encantar vocês também.

Tudo começa em um fim de tarde quente em Junho, a pequena Sylvia está procurando a vaca da família, que insiste em se esconder, para trazê-la de volta à fazenda. A garota adora se demorar pelos pastos e florestas e, quando a vaca finalmente resolve segui-la, o sol já se pôs e a tarde já tornou-se noite. A vaca e a garota voltam tranquilamente para a fazenda, quando ouvem um assovio. Sylvia paralisa ao ver um jovem rapaz com uma arma se aproximando.


A garça-real branca
O jovem não quer assustá-la, ele diz que está na região para caçar espécies raras de pássaros para empalhá-los e adicioná-los à sua coleção. Ele está procurando, em particular, uma garça-real branca, que ele viu sobrevoando a região. Ele pede, com cordialidade, para passar a noite em sua propriedade para poder continuar a procura pela manhã e a garota o leva, então, para a casa de sua avó, que acolhe o rapaz com hospitalidade.

Durante o jantar, a garota escuta as histórias do rapaz e na manhã seguinte ela o acompanha na procura do pássaro. Na verdade, a garota já havia visto o pássaro também,  mas estava relutante em revelar a localização da rara espécie ao caçador. Os dois passaram o dia inteiro juntos e, no final da tarde, Sylvia já o via por outra luz. Ele, pensando-se bem, era atraente e muito simpático.

Antes de dormir, ela pensou em alguma forma de ajudar o rapaz. No dia seguinte, ela acordou antes do nascer do sol e resolveu subir o pinheiro mais alto para ver se, dali de cima, ela conseguiria localizar o lugar exato do ninho da garça-real branca. O rapaz charmoso ficaria muito contente com Sylvia.

O problema é que o pinheiro era muito, muito alto. Sylvia foi agarrando galho após galho, subindo metro após metro até que alcançou o topo e pôde ver o mar ao longe e os pássaros voando baixo, muito maiores do que ela estava acostumada a vê-los, tão de longe, lá embaixo.



O que acontece com Sylvia em seguida eu vou deixar a vocês descobrir. Essa é uma história realmente fascinante, da conexão de uma garota com a natureza e do florescimento do primeiro amor. É um conto belo que, ao mesmo tempo, tem um toque de tristeza. As palavras de Jewett vão te emocionar.

Sarah Orne Jewett nasceu no Maine, Estados Unidos, em 3 de setembro de 1849, e morreu aos 59 anos no mesmo local, em 24 de junho de 1909. Jewett é um dos grandes nomes da literatura regionalista norte-americana e suas histórias normalmente trazem como cenário a região costeira do estado do Maine. Jewett publicou sua primeira história aos 19 anos e sua reputação só cresceu, principalmente entre 1870 e 1880.


Sarah Orne Jewett

Em 1902, Jewett sofreu um acidente de carruagem e nunca mais escreveu. Sete anos mais tarde, ela ficou paralisada em decorrência de um acidente vascular cerebral e morreu meses depois.

Sarah Orne Jewett

O conto que escolhi para vocês foi publicado pela primeira vez em 1886 no livro The White Heron and Other Stories. Eu simplesmente amei esta história de Jewett e fiquei instigada a ler mais produções da autora.

Espero que tenham gostado. Um ótimo feriado a todos, bom descanso e ótimas leituras!

Fernanda


8 comentários:

  1. Olá Fernanda! Tudo bem?
    Não tinha ouvido falar desse conto, na verdade acho que nunca ouvi falar dessa autora =/ O Conto realmente parece ser fantastico e fiquei bastante curioso sobre o que acontece com Sylvia. Com certeza vou atras dele pra descobrir isso

    abraços
    http://www.desconstruindooverbo.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Adoro vir aqui pelas suas ótimas indicações de conto, como esse.
    Fiquei bastante interessada e curiosa para saber o que acontece com Sylvia.
    Valeu pela dica!
    Beijos.

    Li
    literalizandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Fernanda, tudo bom?

    Ah, mais um conto fantastico e você deixando a gente com uma vontade louca de saber o que acontece com a Sylvia! Pq pq pq!
    Adorei! Vou procurar mais.

    Beijocas,
    Ana - www.bookzonthetable.com.br

    ResponderExcluir
  4. Fiquei curiosa pra ler... mas torço para que ele não consiga caçar a garça,,, hehe... engraçado que na capa a menina está perto da garça nessa árvore super alta, então queria mesmo saber o que vem depois... vou procurar o conto.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Sempre que passo por aqui me surpreendo com suas sugestões.
    E com A Garça não foi diferente, uma história com um diferencial pra despertar meu interesse, e contos nesse estilo costumam ter uma mensagem implícita, será que A Garça tem uma?

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  6. Olá, Fernanda!
    Como assim você vai me deixar descobrir?! Agora eu tô curiosa para saber o que vai acontecer depois hahaha tô achando que ela caiu, então já fico com receio de procurar kkkk =[
    Gostei do conto, vou dar uma olhada em breve <3
    Beijos!

    www.livrosdajess.com

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    infelizmente, não estou nessa vibe de ler coisas desse gênero e também, mesmo que sua resenha tenha sido boa, não fiquei instigada a lê-lo, como você ficou por outras obras da autora.
    Enfim... espero que tenhas tido um bom feriado. Beijos,
    http://www.entreleitores.com/

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia esse conto. Agora fiquei curiosa para saber o que acontece com ela!
    Vou procurá-lo já! hahaha

    Beijos ;*
    Proseando com uma BibliophileFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir