quarta-feira, 20 de setembro de 2017

"Assassinatos na Academia Brasileira de Letras", Jô Soares

Olá, pessoal!

Hoje venho compartilhar com vocês a minha mais recente leitura, Assassinatos na Academia Brasileira de Letras, de Jô Soares.

Eu me apaixonei pelo trabalho de Jô Soares como escritor quando eu li pela primeira vez O Xangô de Baker Street, o quarto livro escrito pelo autor e publicado em 1995. O Xangô se passa no Rio de Janeiro do século XIX e ninguém menos que Sherlock Holmes vem para as terras tropicais do Rio para desvendar assassinatos envolvendo um violino Stradivarius. Eu sou apaixonada por histórias que se passam no Rio do século XIX e me envolvi muito com a trama de Jô.

Quem tiver interesse em conhecer mais esse livro, a resenha feita aqui no blog pode ser acessada aqui:

http://www.oprazerdaliteratura.com.br/2015/02/o-xango-de-baker-street-jo-soares.html


Mas o tema de hoje é outro livro de Jô, publicado dez anos mais tarde, em 2005, e ambientado no Rio de Janeiro da década de 1920.
O ano é 1924, o luxuoso Copacabana Palace acaba de ser inaugurado e a sociedade carioca está em alvoroço porque um imortal da Academia Brasileira de Letras foi assassinado na noite de sua posse. E o pior é que o assassino não para por aí, e os demais 39 acadêmicos correm risco de vida.

A Academia Brasileira de Letras foi fundada em 20 de julho de 1897 nos moldes da Academia Francesa de Letras por escritores como Machado de Assis, Olavo Bilac, Graça Aranha, Visconde de Taunay, Ruy Barbosa, entre outros. Seu objetivo é cultivar e preservar a língua portuguesa e a cultura brasileira. Em 1923 (um ano antes da data em que se passa a história de Jô Soares), o governo francês doou à Academia Brasileira de Letras uma réplica do Petit Trianon de Versalhes, construído para a Exposição do Centenário da Independência do Brasil. A Academia está instalada lá até os dias de hoje.

Caso queira conferir os membros passados e atuais da ABL, é só clicar aqui.


Sede da Academia Brasileira de Letras, Petit Trianon, no Rio de Janeiro

Quem fica encarregado de solucionar os crimes é o comissário Machado Machado, assim chamado devido ao amor de seu pai por Machado de Assis. O comissário é, também, um apaixonado das letras, e se interessou pelos "Crimes do Penacho", como ficaram conhecidos na mídia, pelo envolvimento de escritores e intelectuais. Ele herdou o amor à Machado de Assis, fundador da cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras, e cita trechos de sua obra de cor, surpreendo os outros aos seu redor.


Copacabana Palace quando da sua inauguração em 1923

Catherine Deshayes
A história dos assassinatos é atrativa, mas o que mais me chamou atenção nesse livro foi o plano de fundo. Adorei conhecer mais do Rio da década de 20. Jô Soares menciona diversos estabelecimentos que existiram de verdade, como o Teatro São José (e a influência do teatro francês e das féeries), fundado em 1813, Café Lamas, fundado em 1874, os bondes de Santa Teresa, entre outros.

Jô também cita uma seita de envenenadores que data dataria Idade Média, Veneficorum Secta. Não há registros de que essa seita tenha mesmo existido, mas algumas pessoas que Jô cita que teriam participado dessa seita existiram na realidade, como Catherine Deshayes, dita La Voisin, considerada uma feiticeira francesa do século XVI. 

Apenas duas coisas me incomodaram nesse livro de Jô Soares. A primeira foi o fato de todas as mulheres da trama sentirem uma atração incontrolável pelo comissário Machado Machado. Acho isso difícil de acreditar. E o fato de que lá por 3/4 do livro, eu já imaginava quem seria o assassino. Esperei por uma reviravolta ao final do livro, mas ela não aconteceu.

De qualquer forma, foi uma leitura rápida e muito prazerosa, além de ter enriquecido meu conhecimento sobre o Rio da década de 1920 e sobre a própria Academia Brasileira de Letras. Recomendadíssimo!


Rio de Janeiro na década de 1920



Jô Soares
Além de O Xangô de Baker Street e Assassinatos na Academia Brasileira de Letras, Jô Soares (1938-) já publicou outros 5 livros. Já tenho As Esganadas (2011) em casa, mas estou mais animada para ler O Homem que Matou Getúlio Vargas (1998) e conhecer melhor o Brasil da década de 1950.

Uma ótima semana a todos e, claro, ótimas leituras!

Fernanda


Um comentário: